Visitantes

contador grátis

11 de mai de 2010

A importância das figuras parentais...


“Por experiências de lar primário entende-se a experiência de um ambiente adaptado às necessidades especiais da criança, sem o que não podem ser estabelecidos os alicerces da saúde mental. Sem alguém especificamente orientado para as suas necessidades, a criança não pode encontrar uma relação operacional com a realidade externa. Sem alguém que lhe proporcione satisfações instintivas razoáveis, a criança não pode descobrir seu corpo nem desenvolver uma personalidade integrada. Sem uma pessoa a quem possa amar e odiar, a criança não pode chegar a saber amar e odiar a mesma pessoa e, assim, não pode descobrir seu sentimento de culpa nem o desejo de restaurar e recuperar. Sem um ambiente humano e físico limitado que ela possa conhecer, a criança não pode descobrir até que ponto suas idéias agressivas não conseguem realmente destruir e, por conseguinte, não pode discernir fantasia de fato. Sem um pai e uma mãe que estejam juntos e assumam juntos a responsabilidade por ela, a criança não pode encontrar e expressar seu impulso para separá-los nem sentir alívio por não conseguir fazê-lo. O desenvolvimento emocional dos primeiros anos é complexo e não pode ser omitido, e toda criança necessita absolutamente de um certo grau de ambiente favorável se quiser transpor os primeiros e essenciais estágios desse desenvolvimento.”

Adoro este trecho de Winnicott.


Donaldo Winnicott (Inglaterra, 1896-1971)
Pediatra psicanalista
Autor de obras como “Privação e Delinquência” e “A família e o desenvolvimento individual” Fala da importância da mãe como organizador psíquico da criança.
Assinala a importância do amor como necessidade da criança em desenvolvimento
Fala sobre situações de privação emocional que podem desencadear a delinquência.
Para ele, o roubo está relacionado a separação da mãe nos primeiros anos da infância.

Um comentário: